Falta nutricional pode ser um dos vilões da depressão

02/07/2019 2 min de leitura

Estresse, ansiedade e depressão estão entre os distúrbios psicológicos mais frequentes do mundo moderno. Esse último, inclusive, foi tido como a doença mais comum do mundo pela Organização Mundial da Saúde (OMS).


O que pode ser novidade para você é que a nossa alimentação tem muito a influenciar, negativa e positivamente, na força com a qual a depressão e outros sintomas relacionados se manifestam em nosso organismo.


Ou seja: uma boa alimentação pode ajudar no combate à depressão, assim, como a falta nutricional pode agravá-la. E, para saber exatamente o quanto isso pode impactar a sua vida, basta seguir com esta leitura!


Como a falta nutricional influencia a depressão?


É comum que a depressão venha acompanhada de uma série de sintomas. Falta de energia e de disposição física são apenas alguns deles.
Recentemente, um estudo da Universidade de Manchester, no Reino Unido, apontou o quanto a depressão pode ser aliviada com uma nutrição adequada. Os resultados mostraram que a redução do peso e da gordura corporal, bem como a suplementação nutricional, combatem diretamente os sintomas do problema.


Por sua vez, a falta nutricional causa o efeito oposto: quando nos alimentamos bem, a produção de serotonina (hormônio que ajuda a regular o bom humor) é maior — algo que ocorre inversamente se não temos uma boa dieta no dia a dia.


Ou seja: é importante a compreensão dos principais ingredientes que contribuem para a manutenção da serotonina, aumentando a sua produção — normalmente, reduzida com outros sintomas comuns da depressão — e, assim, contribuindo para a melhora do bem-estar.


Quais alimentos evitam a falta nutricional e combatem a depressão?


É claro que evitar a falta nutricional não é o único caminho para vencer a doença, tendo a terapia e, por vezes, a recomendação medicamentosa como principais opções de tratamento, mas a pessoa tem participação ativa nesse processo.


A seguir, vamos apresentar alguns dos principais nutrientes e opções do cardápio que têm tudo para serem inseridos na sua rotina. São eles:
Castanha-do-pará, que é rica em selênio, um nutriente que ajuda no equilíbrio do humor. É, também, rica em vitamina E;


Sementes de abóbora, cuja fonte de potássio regula os eletrólitos e a pressão arterial, ajudando a reduzir o estresse e a ansiedade;
Ovos, ricos em vitamina D, que ajudam, diretamente, na produção de serotonina;


Chá verde, cuja presença de um aminoácido chamado teanina oferece mais propriedades relaxantes. O que, consequentemente, reduz os efeitos da ansiedade, por exemplo;


Iogurte, rico em bactérias boas (os lactobaccilus, por exemplo) que combatem a inflamação e sua interferência em quadros de ansiedade e depressão;

Cúrcuma, uma especiaria comum no sudeste asiático, muito presente na culinária contemporânea, que evita a falta nutricional e combate a depressão. Para isso, conta com efeito oxidativo, equilibrando também o humor.


Só que isso não é tudo. Há muito mais que você pode fazer para evitar a falta nutricional e agregar mais valor à sua dieta, combatendo efetivamente a depressão e seus sintomas. Para saber mais sobre o assunto, aproveite para conferir o nosso repertório de produtos que ajudam diretamente na geração de energia e na manutenção da sua disposição física!